Pardella

Ballagro participará da 22ª Hortitec
abril 20, 2020
Acera
novembro 19, 2021

Texto escrito por: Vanessa Garlet e o Victor Seabra.

O Pardella é um fungicida microbiológico composto por três microrganismos, dois Trichodermas (Trichoderma harzianum e Trichoderma asperellum) e uma Rizobactéria (Bacillus amyloliquefaciens). Possui registro para o manejo de doenças como a antracnose, podridão-radicular e mofo-branco, o que aumenta o potencial de manejo de doenças. É utilizado tanto para doenças de solo como doenças de parte aérea.

A principal vantagem dos três ativos presentes na composição do Pardella é a ampliação dos modos de ação, onde os Trichodermas spp. desempenham a função de competir por espaço, parasitar e agir por antibiose nos fungos fitopatogênicos, além de atuar como promotor de crescimento nas plantas. Já a Rizobactéria, age pela antibiose direta com organismos prejudiciais e forma um biofilme entorno do sistema radícular, liberando antibióticos e enzimas, chamados de metabólitos, danosos aos microrganismos causadores de doenças, trazendo maior proteção e sanidade para a cultura.

Sua formulação WG traz facilidade de utilização com maior solubilidade, além de um prazo de validade maior e mais comodidade ao produtor!

  • Podridão-radicular (Rhizoctonia solani)

O fungo causador da podridão-radicular (Rhizoctonia solani), é uma das principais doenças observadas nas culturas da soja, algodão, milho, batata e feijão entre outras. Os sintomas ocorrem no início do ciclo, causando podridões radiculares no início do desenvolvimento da plântula e provocando redução no vigor e na germinação da semente. A severidade e incidência desta doença está associada as condições de solo e a sequência de culturas cultivadas na área.

  • Mofo-branco (Sclerotinia sclerotiorum)

O mofo-branco é uma doença causada pelo fungo Sclerotinia sclerotiorum, onde está distribuído por todas as regiões produtoras, sendo que existe mais de 400 espécies de plantas hospedeiras a essa doença.  Nota-se, que em áreas com a presença do fungo, a redução da produtividade pode atingir até 70%. Percebe-se, assim, a gravidade da doença e a importância em manter um controle efetivo da enfermidade. A introdução do patógeno em novas áreas ocorre geralmente via sementes contaminadas, visto que as estruturas de resistência podem sobreviver viáveis por mais de 10 anos.

  • Antracnose (Colletotrichum lindemuthianum)

A antracnose é uma doença causada pelo fungo Colletotrichum lindemuthianum, que é uma das doenças mais importantes da cultura do feijão, uma doença cosmopolita, que ocorre em locais de temperatura baixa a moderada e alta umidade. Pode causar perdas de até 100% em produtividade. Por ser uma das doenças mais destrutivas do feijoeiro, quando infecta as plantas nos primeiros estádios do seu desenvolvimento, os sintomas podem ser observados em toda parte aérea da planta. Os sintomas típicos da doença são lesões necróticas de coloração marrom-escura nas nervuras na face inferior da folha, muitas vezes podem ser identificadas também na parte superior das folhas, e em situações mais severas no caule, vagens e nos pecíolo.

Deixe uma resposta